Pular para o conteúdo principal

Freud lê… Bartolomeu Campos Queirós: "O olho de vidro de meu avô"



Freud lê… "O olho de vidro de meu avô"
As palavras guardam um universo inteiro dentro delas. Hoje, especialmente, quero falar de algumas histórias que apresentam os avós como personagens centrais. Freud afirmava que a "construção subjetiva de um indivíduo está invariavelmente envolvida com algo mais, como um modelo, um objeto, um oponente, um auxiliar, de maneira que, desde o princípio das relações mais primitivas da infância, poderíamos dizer que a psicologia individual é também psicologia social" (ZANETTI, 2009). Desde então, o conceito de transmissão psíquica incorporou-se à Psicanálise. Nesse sentido, os avós são figuras fundamentais quando pensamos na construção da subjetividade do indivíduo.
O escritor Bartolomeu Campos Queirós nos traz em algumas de suas obras a figura de seus avós materno e paterno. Falaremos inicialmente sobre a obra "O olho de vidro do meu avô", na qual  o narrador em primeira pessoa nos apresenta seu avô materno. Logo no início da narrativa, o menino nos conta sobre esse olho de vidro, que não vê, mas que imagina o mundo. O avô tinha perdido esse olho e foi preciso colocar um olho de vidro no lugar, então o neto acreditava que avô via o mundo pela metade. A história tem um ritmo lento, avança devagar pela história do avô. A ausência do olho de 'verdade' encaminha-nos para a dualidade ‘ver-imaginar’,   o olho que via o mundo era o do presente e o de 'mentira', o passado. E o menino nadava na imaginação tentando adivinhar o que o avô sonhava, fascinado pela possibilidade de o avô ver o passado e o futuro:

"Meu avô imaginava sempre, eu acreditava. Vencia as horas lerdas deixando o mundo invadi-lo por inteiro. Ele hospedava essa visita sem espanto. Saboreava o mundo com antiga fome. O que seu olho de vidro não via, ele fantasiava. E inventava bonito, pois eram da cor do mar os seus olhos. Tudo cabe dentro de sua imensidão: viagens, sonhos, partidas, chegadas, mergulhos e afogamentos."

Esse tema passado e futuro vem nos acompanhando nas leituras anteriores aqui no Freud lê, talvez porque esse venha sendo o percurso que tem me mobilizado atualmente. Uma vez ouvi que aquilo que fomos na infância vai indo um pouco embora quando as pessoas que partilharam conosco essa fase da vida nos deixam. Nunca conheci meus avôs, convivi apenas com minhas avós e a partida delas trouxe-me ainda mais essa experiência de que o que vivemos juntas ficou registrado no espaço da memória, algo que pode ser revisitado em fotografias (elementos concretos que presentificam o passado)  ou mesmo no relato desses acontecimentos, mas uma parte da memória do que compartilhamos, algo que estaria entre o que me tornei a partir desse convívio, dos traços que trago em mim que são delas perde-se em meu consciente, mantendo-se em mim sem que eu possa, às vezes, reconhecer:

"Poucas vezes estive na casa de meu avô. Nunca por longo tempo. Chegava e brincava de não querer saber de nada e acabava sabendo de tudo. Eu era curioso e guardava cada minúcia na memória. Coisas no princípio confusas, eu só vim costurar mais tarde. A memória é uma faca de dois gumes. Ela guarda fatos que me alegram em recordar, mas também outros que desejaria esquecer, para sempre. A memória é como cobra: morde e sopra."

Esse avô aparece inicialmente em outra obra do mesmo autor, "Indez". Nesta história, há um narrador em terceira pessoa contando a infância de Antônio, um menino que vivia afastado da cidade com sua família, tendo conhecido seu avô apenas pelo "olho de vidro"guardado pela mãe:

"Mas não restou apenas o olho do avô espiando. Outras lembranças ficaram: a bengala de cabo de prata, o chapéu preto, a gravata, e mais sua vaidade tão presente no corpo da mãe. Antônio imaginava o avô no céu, olhando Deus com um só olho. O outro não dormia nem mesmo dentro da bolsa da mãe."

                O narrador nos apresenta os elementos concretos em que a figura do avô se faz presente, os objetos mantém a figura do avô na família, assim como a vaidade presente na mãe marca a intersubjetividade desse pai na vida dela.
A Psicanálise passou a ocupar-se da transmissão psíquica entre gerações depois que Freud estudou estruturas, processos e construções que estivessem relacionadas à constituição subjetiva individual, pois muitos aspectos levaram-no da estrutura psíquica individual para uma constituição embasada nas relações com os outros, ou seja, a subjetividade se constitui e se modifica no laço social. Nesse sentido, reconhecer os elementos que nos compõem a partir do outro passou a ser uma forma de nos reconhecer em nossa subjetividade, e os avós vêm compor os vínculos primários que se estabelecem entre nós e o mundo.
                Notamos que podemos mergulhar no passado e na casa desse avô do personagem, por exemplo, viver junto com o narrador e o menino Antônio as lembranças e carinho ali guardados. Quando li esse livro pela primeira vez, pude reconhecer tantos cheiros, crendices que fizeram parte da minha infância e essa é a riqueza que continuo encontrando na leitura, na literatura : o encontro comigo mesma através da lente e dos olhos dos autores.

Autoria: Glaucia Luiz Gotardo - psicóloga  e mestre em Letras
Revisão e ilustração: Sônia Maria de Carvalho Pinto - artista plástica e doutora em Filosofia


Quer saber mais? Acesse:

http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8156/tde-02102007-142335/pt-br.php
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-65642009000100006&lng=pt&tlng=pt



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carrascoza: "Aos 7 e aos 40", Parte 2, Inevitável Tempo

Quando iniciamos este espaço com a reflexão sobre o livro “Aos 7 e aos 40”, de João Carrascoza, parece ter faltado a relação que tanto desejamos: pensar a semelhança entre a narrativa do autor e a nossa. O que se passa no intervalo de tempo entre a infância e a fase adulta? Por que esse livro me causou tanto impacto como eu afirmei anteriormente? Por que meu  desejo de abraçar o personagem ao terminar de ler o livro? A resposta, que não havia sido dada claramente no primeiro texto, está aqui: foi sua proximidade comigo! Estou nesta faixa etária "aos 40" e isso mexeu bastante comigo: uma história que emociona e dói. Foi isso que senti quando terminei, como é doído o envelhecimento e, principalmente, o balanço da vida. A passagem do tempo nos toca sem percebermos exatamente, quando nos damos conta, estamos lá aos 40. Como ocorre essa passagem tão sutil e tão precisa? Essa obra mostra-nos quanto de nós se construiu na infância e nos acompanha ao longo da vida, sejam os medos, s…

Carrascoza: "Aos 7 e aos 40"

"A vida era o que era, e ele cada vez mais longe de sua fonte, mesmo se de volta a ela, como agora - tudo no caminho é para ficar lá atrás, pessoas carregam só aquilo que deixam de ser, o presente é feito de todas as ausêcias." Carrascoza.
Recentemente uma de minhas poetas prediletas, Roseana Murray (logo conversaremos sobre ela aqui)  escreveu que, ao terminar de ler um livro, quando se apaixona por ele, tem vontade de beijá-lo, como se fosse de carne e osso. Assim me senti quando terminei de ler "aos 7 e aos 40",  do escritor João Anzanello Carrascoza, da editora Alfaguara. Queria abraçar aquele homem e dizer-lhe quantas vezes tinha me sentido assim, invadida por palavras que insistiam em não sair. A narrativa poética de Carrascoza nos coloca junto dos silêncios que compõem a vida das personagens. Alternam-se cenas do menino e do homem. Num capítulo, acompanhamos o menino que cresce rodeado de cuidados da mãe e da companhia do irmão, numa infância permeada pela des…

´Freud lê... Ondjaki: "A vida comum"

Quanto tempo ausente e longe da escrita, quase 2 meses, os dias se encheram de afazeres e acabamos deixando este espaço de diálogo em pausa, como se fosse possível, parar de puxar o fio que conduz nossa vida e voltar lá, onde deixamos um nó para desatar. E que nó ficou aqui para desatar! Falamos nos outros textos de sonhos, desejos, do que nos move e agora só queríamos falar da vida. Que difícil escolher um texto específico quando se quer falar do dia a dia, da vida que se constrói a cada pulsão. E, em meio a tantas histórias, voltei àquelas sobre a infância e o olhar da criança, afinal "a vida acontece muito de repente˜, como afirma Ondjaki no conto "O último carnaval da Vitória", do livro Os da minha rua. Essa ideia do de repente da vida junto com vários acontecimentos recentes nos fez pensar no que é a vida e, nesse preâmbulo, encontrar um pouco desse sentido na voz do menino narrador de Ondjaki nos trouxe um certo alento: "A vida às vezes é como um jogo brincado…